Sábado
15 de Maio de 2021 - 

NOTÍCIAS

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 5,27 5,27
EURO 6,40 6,40
PESO (URU) 0,12 0,12

Previsão do tempo

Hoje - Dom Pedrito, RS

Máx
22ºC
Min
6ºC
Geada

Domingo - Dom Pedrito, RS

Máx
22ºC
Min
9ºC
Parcialmente Nublado

Atuação da AGU garante desconsideração da personalidade jurídica de empresa extinta sem pagar dívida junto ao INSS

Justiça entendeu que houve abuso no fechamento e na abertura de nova empresa para fugir de ressarcimento aos cofres do INSS após acidente de trabalho.   AAdvocacia-Geral da União manteve no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) decisão de desconsideração da personalidade jurídica. A Justiça concordou com os argumentos da AGU de que houve abuso no fechamento e na abertura de nova empresa apenas para a companhia fugir do pagamento de condenação em ação regressiva acidentária.   A AGU, representando o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), moveu ação regressiva para buscar o ressarcimento à Previdência Social pelos valores pagos em consequência de um acidente de trabalho, ocorrido em 2009, que causou a morte de dois empregados de uma indústria metalúrgica no estado do Paraná. Ficou provado que a empresa foi omissa quanto ao dever de adequar-se às normas de segurança e higiene do trabalho.   Devido à negligência, a companhia foi condenada a ressarcir os cofres públicos. Mas as atividades da empresa foram encerradas e o administrador abriu, em seguida, uma nova firma com o mesmo objeto social e instalada no mesmo endereço da antiga companhia. Dessa forma, a Advocacia-Geral pediu, em Incidente de Desconsideração da Personalidade Jurídica, o redirecionamento da execução para atingir os bens do administrador e, assim, ressarcir os cofres do INSS. Em primeira instância, o pedido foi julgado procedente. Mas o sócio recorreu da decisão. Alegou que o encerramento irregular das atividades empresariais não é suficiente para a desconsideração da personalidade jurídica, sendo necessária a comprovação do abuso da sua personalidade. A AGU demonstrou que havia fortes indícios de abuso da personalidade jurídica pela confusão patrimonial entre a devedora e a nova empresa e de desvio da finalidade. Sustentou que a empresa executada passou, através do seu sócio-administrador, a integrar uma segunda empresa que atuava no mesmo segmento econômico da primeira, qual seja, a metalurgia, bem como funcionavam na mesmo endereço. Por unanimidade, a Terceira Turma do TRF4 considerou que houve o abuso da personalidade jurídica por parte da empresa e, por isso, determinou que o seu sócio-administrador passe a figurar no polo passivo do processo de cumprimento de sentença. O Procurador Federal Christian Reis de Sá Oliveira destaca a importância da sentença: “Decisões como essa permitem que os processos de cobrança prossigam, tornando, assim, as decisões judiciais mais efetivas, incutindo na população a ideia de que não adianta tentar ludibriar a Administração Pública brasileira”. DS
Visitas no site:  2314818
© 2021 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.